Entrar
Redução de custos nem sempre é a melhor solução

Redução de custos nem sempre é a melhor solução

20/10/2020 | Giovanna Cavalli

A sustentabilidade se tornou um tema extremamente relevante no mundo corporativo há alguns anos. Contudo, quando falamos de B2B (business to business) e da relação entre comprador e fornecedor, esse termo não se limita apenas às questões ambientais, mas também à longevidade. Ou seja, ao tipo de parceria estabelecida entre as partes e o quanto ela se mantém saudável ao longo do tempo. Ficou interessado? Então, continue lendo e entenda melhor sobre o assunto!

O mercado funciona como uma corrente: uma coisa leva à outra

Em um cenário igual como estamos vivendo hoje, de riscos, crise e instabilidade econômica, a continuidade no relacionamento é extremamente importante para enfrentar o momento delicado. Pensar nisso, antes de cortar custos, por exemplo, é essencial para o período pós-pandemia.

É comum  pensar primeiramente em proteger a saúde financeira, mas reduzir gastos a qualquer preço pode não ser a melhor maneira de minimizar o risco. Então, quem souber ser criativo e criar uma rede de colaboração entre organizações e provedores, terá resultados melhores. 

Nesse sentido, o mundo corporativo funciona como uma colmeia. Cada decisão do empresário afeta outras companhias – sejam elas clientes ou produtoras. Por isso, “é necessário agir em conjunto e não pensar só no curto prazo, então, vale dialogar com quem faz parte da mesma cadeia e tentar encontrar saídas, preservando a parceria e a confiança entre aliados estratégicos”, explicam o especialista de gestão de fornecedores no Mercado Eletrônico, Marcelo Pereira, e a coordenadora do FGV-CELOG,  Priscila Miguel. 

Estamos passando por uma crise sem precedentes, logo, não existem soluções prontas. No entanto, depois de seis meses de vivência neste cenário, é perceptível a reinvenção de algumas instituições, reconfigurando processos e revisando recursos de maneira cuidadosa. Ou seja, entendendo, de fato, se a melhor tática tem realmente a ver com despesas menores. Isso tudo passa, também, pela capacidade de decidir não apenas cortar contas, de maneira aleatória. “É preciso saber onde enxugar para não pôr em risco a saúde e o futuro da entidade. Trocar de fornecedor levando em conta apenas o fato de pagar mais barato, sem considerar outros critérios, pode comprometer a qualidade das entregas e a satisfação do próprio público, por exemplo”, complementam Pereira e Priscila.

A automação é um bom caminho

Assim, essa nova realidade impulsionou muitos trabalhadores a se reinventarem de maneira digital. Segundo pesquisa da The International Association for Contract & Commercial Management (IACCM), a automação pode melhorar a lucratividade em até 9% da receita anual. Por isso, essa tem sido a estratégia para aumentar a produtividade e, nesse momento turbulento, sobreviver no mercado.
 
Diante da quarentena, estamos vivendo ainda mais uma realidade completamente conectada e tecnológica. Isso é, a facilidade em resolver demandas diárias na “palma da mão”, por meio de celulares ou outros dispositivos tem acompanhado as rotinas de todos. Então, usufruir ao máximo das ferramentas disponíveis pode melhorar a relação com burocracias desnecessárias e fazer os planos continuarem. 

Para a gerente comercial da Assine Bem, Paula Sino, esse cenário tem sido de adaptação em todas as esferas. Por exemplo, apesar da simplicidade, alguns empresários ainda optavam por solicitar a assinatura manual de alguns arquivos, elevando os gastos. “Todavia, o uso da assinatura digital é uma de suas primeiras escolhas, atualmente. Além de ser um dos meios mais seguros, pois utiliza etapas de validação para identificar os signatários e a criptografia para evitar fraudes nos documentos rubricados. Ainda, a redução do valor para a empresa é até 70%, se comparado ao envio por portador”, analisa.

Portanto, procure entender a melhor maneira de modernizar a sua organização, priorizando caminhos mais seguros e assertivos. Aproveite também e teste grátis a nossa plataforma de assinatura digital. Conte com a Assine Bem!